fbpx
Casos e Referências

“Branca de Neve”: passo a passo do adolescer

“Branca de Neve”: passo a passo do adolescer
Ilustração por Charles Santore.
1 de junho de 2015
Este artigo faz parte da série:

Contos de fadas e o desenvolvimento emocional das crianças

Descubra mais sobre como a história de Branca de Neve pode ajudar a criança em crescimento a lidar com temas importantes, como o amadurecimento, a capacidade de cuidar de si, o narcisismo, o ciúme e a inveja.

 

“Branca de Neve” é um conto cuja interpretação pode estar muito relacionada com o processo de crescimento e a passagem da infância para a adolescência. Isso não significa que a criança ainda distante da puberdade não possa interessar-se pela história. A curiosidade que os relacionamentos adultos despertam está presente desde cedo e muitos dos sentimentos e conflitos descritos pela narrativa são vividos também pelos pequenos.

Incialmente, o conto trata das origens e do grande interesse que a criança tem a respeito de ter sido ou não desejada pelos pais. O bondoso rei e sua esposa queriam muito bem à menina, mas com o falecimento da rainha, entra em cena a madrasta má, que detesta Branca de Neve. Essa oposição entre a mãe e a madrasta está ligada à forma maniqueísta como a criança percebe determinadas emoções no início da vida: é como se a mãe se dividisse em duas pessoas diferentes – uma da qual a criança tem raiva, inveja e que nem sempre atende a seus desejos, e outra que é bondosa, acolhedora e amável. Se tudo corre bem, mais à frente a criança será capaz de perceber a mãe como uma só pessoa que, assim como todo o ser humano, é falível, mas dotada de qualidades e amorosa.

Merece destaque a questão do narcisismo da madrasta má, que, com inveja e ciúmes da menina, olha–se no espelho e quer confirmar sua beleza a todo momento. A criança, inicialmente, tende a ser egocêntrica e focada em suas próprias sensações e necessidades. Esta maneira de ser é fundamental para o desenvolvimento, mas precisa aos poucos ser abandonada, dando lugar à percepção do outro, à capacidade de compartilhar e de se frustrar.

Outra questão abordada na narrativa é o ciúme que as crianças sentem de seus pais e de sua condição de adulto. Branca de Neve quer o amor do pai só para si e o disputa com a madrasta. Esta, tão infantil quanto ela, revida violentamente. A menina, então, foge para a floresta com a ajuda do caçador – ou seja, se sente sozinha e abandonada à própria sorte.

A princípio ela vive a experiência de se virar por conta própria como uma tarefa impossível. Porém encontra os anões, que podem simbolizar seus recursos internos. Aos poucos, eles a ajudam a lidar com as situações: a acolhem e esperam dela atitudes responsáveis e de compartilhamento. Isso faz com que a criança se questione sobre sua capacidade de encontrar internamente forças para cuidar de si mesma e também a ajuda a perceber que determinadas exigências são importantes para o crescimento.

Confira aqui a adaptação da história feita para a série “Contos de Fadas”.

Este post foi escrito com base no livro “A Psicanálise dos Contos de Fada”, de Bruno Bettelheim.

Compartilhe
TEMAS
Para poder deixar seu comentário, por favor, identifique-se abaixo.

Posts Relacionados

Outros posts que podem interessar