teste
Casos e Referências

Brincar é uma forma de explorar o mundo

Brincar é uma forma de explorar o mundo
Desenhos produzidos por participantes de oficina ministrada pela ilustradora – Portal Aprendiz (foto: Sofia Colucci)
Em parceria com Portal Aprendizicone-link-externo

O Portal Aprendiz identifica a educação integral como um potente instrumento de transformação da sociedade e entende que a cidade é um espaço repleto de oportunidades educativas capazes de promover, em conjunto a outros espaços formadores, o desenvolvimento integral dos indivíduos. O site espera estimular a reflexão e o engajamento social na construção de uma educação plural que transcenda os muros da escola e garanta a aprendizagem contínua e o pleno desenvolvimento dos sujeitos.

21 de junho de 2018..

Neste post do nosso parceiro Portal Aprendiz, conheça as ideias sobre brincar e desenhar na infância defendidas pela ilustradora peruana Issa Watanabe.

Não são poucas as memórias que a ilustradora peruana Issa Watabane tem de como adultos podem fazer crianças duvidarem de seu potencial de expressão. Ela se lembra de ver um menino mostrar o desenho de um gato para sua mãe: eram poucos e finos rabiscos, um gato magro, sem rabo e com três pernas. A mãe, na melhor das intenções, começou a corrigi-lo, adicionando a pata que faltava, o rabo balouçante, explicando como os gatos eram. Não era, entretanto, como o menino queria expressá-lo.

As próximas vezes que o menino desenhou, pairava nele sempre uma hesitação, um receio de não agradar, como se sua imaginação não correspondesse ao mundo real. Ele havia perdido o desejo de jogar.

Abrindo o seminário “Arte, Palavra e Leitura na 1ª Infância”, que ocorreu no mês de março no SESC Pinheiros, em São Paulo, a artista peruana foi convidada a ministrar uma oficina sobre a importância do brincar e do desenho na formação cognitiva e social das crianças – e sobre como os adultos não devem interferir ou podar a criatividade delas.

Para a ilustradora, “o jogo ensina a capacidade de manejar sua própria vida frente às posições externas do mundo. E a percepção adquirida durante o jogo mantém o sentimento, da vida infantil até a adulta, de que esse mundo externo vale a pena”.

“O mundo e a sociedade impõem regras, e a brincadeira mostra que podemos confrontar isso de forma criativa. E quando falo de criatividade, não falo somente de uma prática artística, mas da capacidade de transformar o que está fora. Se não a tivéssemos, seríamos pessoas sem vontade, acomodadas, cuja imposição externa seria tanta que o indivíduo desapareceria”, reforça a ilustradora. “Quando a criança joga, está desempenhando, no mínimo, três atos fundamentais em sua vida: exploração, comunicação e expressão. Está explorando o mundo, investigando-o, averiguando como são as coisas que formam sua realidade”.

Issa escolheu o desenho para a demonstração de como o mundo adulto pode cercear o desenvolvimento criativo. “Quando perguntamos para crianças entre quatro e cinco anos se elas sabem desenhar, todas respondem que sim. Quando perguntamos aos adultos, poucas são as afirmativas. Quando perdemos isso?”, questionou a ilustradora aos convidados.

É o juízo de valor, que a ilustradora sentiu no desenvolvimento de sua própria arte e também ao se aproximar dos espaços de formação infantil, o grande inibidor: é quando o adulto olha para o traço de uma criança e procura atribuir significado, seja positivo ou negativo, ao invés de enxergá-lo enquanto forma de expressão, aliada a uma imaginação que distingue pouco contornos entre realidade e fantasia.

“O traço infantil deve estar isento de ser entendido por um possível observador adulto”, defende Issa. Se o mediador ou o pai atribuem características negativas frente ao desenho – “ah, isso não está parecido com a realidade” – ou positivas – “que bonito, você desenha muito bem” – fazem com que a criança desenvolva uma finalidade para o que está fazendo; e por consequência, uma ansiedade por seu resultado.

Para conhecer outras ideias defendidas pela ilustradora Issa Watanabe, acesse aqui.

Texto adaptado de Portal Aprendiz.

Compartilhe
TEMAS
Para poder deixar seu comentário, por favor, identifique-se abaixo.

Posts Relacionados

Outros posts que podem interessar