Casos e Referências

Campanha chama a atenção para a difícil realidade de crianças que passam fome na escola

Campanha chama a atenção para a difícil realidade de crianças que passam fome na escola
Imagem retirada de Pixabay
11 de Abril de 2018..

Leia mais sobre o assunto aqui!

A fome ainda é uma realidade no Brasil. De acordo com dados de 2013 do IBGE, mais de 7 milhões de brasileiros vivem com esse grave problema. Dessa população afetada, a maior parte (9,8%) foi estimada como tendo entre 0 e 17 anos. Ou seja, crianças e jovens em desenvolvimento são os que mais sofrem com a falta de acesso a alimentos, algo que em geral vem acompanhado de um contexto de alta vulnerabilidade social e reduzido acesso a direitos básicos.

A Noruega, apesar de ter uma taxa bem menor de pessoas que passam fome, investiu em uma campanha de conscientização sobre uma situação que conhecemos de perto: crianças que sofrem na escola por não ter o que comer. Veja a seguir o vídeo produzido pela Diretoria Norueguesa de Assuntos da Infância, da Juventude e da Família (Bufdir) e pelo Escritório para Assuntos da Infância, Juventude e da Família (Bufetat):

 

No pequeno trecho apresentado, um garoto com fome não possui nada em sua lancheira para comer na hora do intervalo na escola. Ele sai da classe e, na tentativa de encher a barriga, toma água – algo que infelizmente faz parte da rotina de muitas crianças brasileiras. Quando volta para a sala, cada colega contribuiu com um pedacinho de seu alimento para que ele também possa lanchar.

Embora o vídeo seja tocante, convide a enxergar essa dura realidade e a pensar sobre a importância de cada um fazer a sua parte, vale ressaltar que um problema tão amplo e grave como o da fome deve ser tratado principalmente a partir de medidas institucionais e governamentais, capazes de atingir extensamente os diversos setores da população. No caso de crianças e jovens as medidas se tornam ainda mais urgentes, pois a subnutrição é um grande obstáculo ao desenvolvimento físico e intelectual, especialmente nos primeiros anos de vida.

Compartilhe
TEMAS
Para poder deixar seu comentário, por favor, identifique-se abaixo.

Posts Relacionados

Outros posts que podem interessar