É preciso pensar um urbanismo mais lúdico e acolhedor | Labedu
Dicas Práticas e indicações

É preciso pensar um urbanismo mais lúdico e acolhedor

Em parceria com Catraquinhaicone-link-externo

O Catraquinha é fruto de uma parceria entre o Instituto Alana e o Catraca Livre. O site reúne informações interessantes para pais, educadores e familiares – de agenda cultural a projetos transformadores para a infância – com o intuito de empoderá-los para que interfiram positivamente no desenvolvimento das crianças, deixando-as exercer em sua plena potência a criatividade e a autonomia.

19 de maio de 2016

“Casacadabra” – um livro de arquitetura para crianças. Conheça essa dica compartilhada por nosso parceiro Catraquinha.

Certamente você já parou para refletir sobre como seria uma cidade dos sonhos para criar uma criança. Mas você já pensou que, um dia, as crianças serão adultos e pensarão a mesma coisa em relação aos seus filhos? Como podemos contribuir para a transformação das cidades em espaços mais humanos e acolhedores às pessoas e às crianças?

Para a dupla de autoras, a arquiteta Simone Sayegh e a jornalista Bianca Antunes, o segredo está em desenvolver nas pessoas, adultos e crianças, uma consciência cidadã, para que possam entender e pensar sobre sua responsabilidade em relação ao espaço público. “Se pertencemos a ele, cuidamos dele. Ocupá-lo é também cuidá-lo”, explicam.

Simone e Bianca lançaram uma campanha de financiamento coletivo para publicar um livro, chamado de “Casacadabra”,  que explica arquitetura e urbanismo às crianças por meio de uma viagem de descobertas por dez casas de todo o mundo, quatro delas no Brasil.  A ideia é que o livro seja também um objeto de brincadeira e aprendizagem, que estimule a criança a pensar sobre sua casa e sua cidade, e a desenvolver maneiras de ver o mundo à sua volta.

Imagem retirada de Catraquinha. Reprodução de página do livro “Casacadabra”

“Acreditamos que nossas cidades serão mais justas e humanas quando a arquitetura e o urbanismo começarem a ser ensinados desde o princípio: nas aulas de ensino básico, fundamental, médio e não apenas nas salas de aula das faculdades de arquitetura. Nos livros para as crianças, e não apenas em artigos acadêmicos. Sim, acreditamos na educação para abrir os olhos das pessoas, desde cedo, para o lugar em que vivem. Casacadabra é um pequeno passo para essa transformação”, explicam.

Para entender melhor a temática do livro, o Catraquinha conversou com as autoras, confira a entrevista na íntegra aqui.

Compartilhe
TEMAS
Para poder deixar seu comentário, por favor, identifique-se abaixo.

Posts Relacionados

Outros posts que podem interessar