Projeto "Aprender: dentro e fora da escola" inicia 2022 consolidando conquistas | Labedu

Projeto “Aprender: dentro e fora da escola” inicia 2022 consolidando conquistas

27 de julho de 2022..

O ano de 2022 começou diferente nas salas de aula do Maranhão, apontando novos rumos para o projeto Aprender: dentro e fora da escola, em implementação desde 2019 em cinco municípios da região do Médio Mearim. Com apoio da Eneva, seguimos contribuindo para a qualificação profissional dos quadros locais e dando continuidade ao processo de aprendizagem das crianças maranhenses, mas desta vez no contexto de retorno às aulas presenciais, iniciado no 2º semestre de 2021. 

As lideranças técnicas do LABEDU basearam-se nas conquistas das Supervisoras e Coordenadoras Pedagógicas no que diz respeito à articulação do planejamento pedagógico aos fundamentos teóricos e práticos do Documento Curricular do Território Maranhense (DCTMA) para ampliar as frentes de atuação do projeto. “Passamos a investir em dois atores-chave para a consolidação dos avanços e estreitamento da articulação dos eixos de formação e mobilização: as diretoras escolares e as técnicas das Secretarias de Educação”, comenta Gisele Goller, Coordenadora do projeto. O intuito é fortalecer a atuação dessas profissionais, apoiando as diretoras na integração das famílias ao Projeto Político Pedagógico das escolas e as Secretarias de Educação (SEMEDs) na viabilização de condições para que isso ocorra. “Sabemos que a participação da equipe das SEMEDs também é essencial para que as Coordenadoras Pedagógicas e Supervisoras possam se desenvolver constantemente em seu papel como formadoras dos professores da rede”, complementa Gisele. Outro fator decisório para o encaminhamento foi a demanda local pela manutenção de ações que, durante o fechamento das escolas, favoreceram o engajamento das famílias quanto às propostas voltadas à aprendizagem – que também refletiram positivamente no desenvolvimento da linguagem das crianças dos municípios.

Com a retomada das atividades presenciais, foi possível diversificar as estratégias para a formação leitora das educadoras. Mais de 400 professoras e professores participaram das oficinas de apreciação de livros e mediação de leitura realizadas em junho de 2022, que também contaram com a presença de Supervisoras e Coordenadoras Pedagógicas. “O projeto Aprender fez com que os docentes abrissem os olhos, despertassem para a potência dos livros“, afirma Ana Luiza, professora de uma escola da zona urbana em Trizidela do Vale. A distribuição de livros para as escolas foi, sem dúvida, um agregador, dando condições para a formação leitora também dos estudantes. Foram entregues sete títulos de diferentes gêneros, autores, ilustradores e editoras para cada escola, resultando em 777 exemplares distribuídos. Além das escolas, as crianças também receberam exemplares de livros de literatura infantil em suas casas. Em parceria com a Fundação Itaú Social - Programa Leia para uma criança, disponibilizamos quatro títulos para todas as crianças matriculadas na Educação Infantil e no 1º ano do Ensino Fundamental dos municípios do Médio Mearim. Foram entregues 23.180 unidades no total. Além do impacto direto nas crianças e famílias, os livros serão utilizados nos encontros de formação previstos para os próximos meses com as Diretoras, Coordenadoras e Supervisoras.

Inúmeros depoimentos captam parte do impacto que a chegada dos livros tem na rotina da escola e fora dela.

“Não tinha costume de tá lendo em casa não… começamos a fazer isso com esse trabalho da pandemia. Eu percebo que a criança fica mais comunicativa. A criança pega gosto pela leitura... Ela reconhece as letras no livro. (...) Na minha infância eu não tive contato com livro, livro assim de histórias não… só a partir do 5º ano com livros de conteúdo… acho que se eu tivesse tido esse contato que as crianças de hoje em dia tem, eu teria mais gosto e me envolvido mais… Com esse trabalho até eu me senti com vontade de ler livros de histórias”, diz Eline, mãe de uma criança de 4 anos, aluna em Trizidela do Vale.
“Depois do trabalho desenvolvido com as famílias durante a pandemia, eu comecei a tirar sempre um tempo diário, tipo 1h, 1h30, para ficar com meus filhos…. Eu sento no chão mais eles e a gente desenha, pinta, conversa, brinca de escolinha…” diz Thaís, mãe de uma criança de 5 anos, aluna no Povoado Jequiri, em Trizidela do Vale.

Paralelamente ao trabalho realizado nas redes de Educação Infantil de Lima Campos, Pedreiras, Trizidela do Vale, Santo Antônio dos Lopes e Capinzal do Norte, contribuímos com o desenvolvimento do papel das Articuladoras Pedagógicas Regionais (APRs) como formadoras de formadores que orientam o espelhamento do projeto pelas Articuladoras Pedagógicas Municipais (APMs) em seus respectivos territórios. Desta forma, garantimos que os demais 212 municípios do Estado também sejam atingidos, em uma proposta que fortalece o regime de colaboração.

Compartilhe
Para poder deixar seu comentário, por favor, identifique-se abaixo.

Posts Relacionados

Outros posts que podem interessar