Um confronto na favela pelos olhos das crianças | Labedu
Casos e Referências

Um confronto na favela pelos olhos das crianças

20 de junho de 2016

Na segunda quinzena do mês de maio de 2016 houve um confronto entre facções de tráfico de drogas e a polícia em uma favela brasileira, uma das maiores do mundo. Em uma escola pública próxima, uma professora dava aula quando seus alunos a interromperam: “Tia, isso é barulho de bala.”

Ao longo dos minutos seguintes, um aluno de 8 anos descrevia o que ouvia: “Isso é metralhadora. Isso é fuzil. Isso é granada”. A professora mal tinha reconhecido que eram tiros. As crianças choravam, tentavam falar pelo telefone com familiares, entrando em estado de pânico. A aula foi interrompida para que os alunos pudessem ser acalmados.

No decorrer da tarde, noticiou-se que a favela estava “fechada”: ninguém podia entrar nem sair do local. Quando as aulas acabaram às 17h, alguns pais buscaram seus filhos e os levaram ao trabalho, para passar a noite; outros levaram as crianças e algumas provisões que os permitissem acampar em uma favela próxima com segurança, até ser possível voltar para casa; outros ainda não conseguiram sair de casa até bem depois de anoitecer. A escola fechou com cerca de 30 crianças, acompanhadas de uma professora, e todos acreditavam que passariam a noite ali. Às 21h, as últimas crianças saíram da escola com seus responsáveis e ficaram na comunidade mais próxima até perto da meia noite, quando finalmente puderam retornar às suas casas. O cenário que devem ter encontrado no caminho certamente envolvia muita destruição, buracos de bala nas paredes, encanamentos furados jorrando água, morte e tristeza entre a população.

Como uma criança deve se sentir quando é forçada a ficar dentro da escola, longe dos familiares, sem saber se estes estão bem? Medo, insegurança e ansiedade, certamente povoaram os sonos dessas crianças nessa noite. Provavelmente não pela primeira vez, nem pela última.

Quando pensamos em situações de violência, é comum pensarmos em situações mais específicas, como um contexto de guerra. Mas como é o dia a dia de uma criança que vive em um local onde a violência, do Estado e do crime, dita regras de convivência? As ações e falas dessas crianças são reveladoras de seus ambientes. Para que uma criança de apenas 8 anos consiga identificar, a quilômetros de distância, o som distinto de cada arma letal, é preciso que isso faça parte do seu cotidiano. Para que ela consiga manter a calma para diagnosticar cada som, é preciso que ela tenha naturalizado a presença de armas na sua vida.

Aqui no Toda Criança Pode Aprender, chamamos atenção com frequência para o fato de que as crianças estão o tempo todo atentas aos seus arredores, absorvendo informações a partir do que veem e ouvem, e não só do que os adultos mostram especialmente para elas. Na hora de refletir sobre ambientes precários, sujeitos aos mais diversos tipos de violência – negligência institucional, falta de saneamento básico e eletricidade, abandono do Estado, abuso de força da polícia, facções criminosas com controle do espaço e das regras, criando leis próprias -, é importante levar em consideração as crianças nascidas e criadas nesses espaços. Seus medos, suas inseguranças, seus aprendizados todos terão um impacto no futuro delas e, por consequência, de toda a sociedade.

A preservação e valorização da infância deve se estender a todas as crianças.

Compartilhe
TEMAS
Para poder deixar seu comentário, por favor, identifique-se abaixo.

Posts Relacionados

Outros posts que podem interessar