fbpx
Casos e Referências

Contato das crianças com a natureza está abaixo do recomendado pela OMS

Contato das crianças com a natureza está abaixo do recomendado pela OMS
Imagem retirada de Unsplash
Em parceria com Centro de Referências em Educação Integralicone-link-externo

O Centro de Referências em Educação Integral é uma iniciativa da Associação Cidade Escola Aprendiz em parceria com outras organizações não governamentais e com o apoio da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) e da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). A intenção é promover a pesquisa, o desenvolvimento, aprimoramento e difusão gratuita de referências, estratégias e instrumentais que contribuam para a formulação, gestão e avaliação de políticas públicas de Educação Integral no Brasil.

21 de Março de 2019

O índice nas maiores cidades do Brasil não chega nem à metade do recomendado.

O contato com a natureza na sua infância, na cidade inglesa de Sevenoaks, foi determinante para que o arquiteto Robin C. Moore desenvolvesse sua abordagem ao desenvolvimento das crianças como algo somente possível se feito em uníssono com a natureza e o brincar livre.

Em sua carreira, dedicada à natureza como direito da infância, o caminho de Robin cruzou com o da psicoterapeuta Nilda Cosco, argentina nascida em Rosário, município referência em práticas que fomentam uma cidade educadora. Em 2000, os dois criaram a Natural Learning Initiative (NLI), organização especializada em projetar espaços ao ar livre com sede na NC State University, na Carolina do Norte (EUA).

Trabalhando com escolas, museus, praças e espaços urbanos, o instituto se fundamenta em quatro pilares: a assistência a comunidades, design participativo de projetos, formação de profissionais na área de educação e arquitetura e pesquisa.

“O instituto possui uma dedicação ao humano e ao natural. Na parte do meio ambiente, ele se concentra no mundo natural em situações urbanas, pensando em como se pode melhorar a biodiversidade de espaços onde crianças e famílias passam a maior parte do seu dia. E aí que entra a parte humana: ao fazer isso, estamos expondo-as à beleza e ao entendimento do mundo natural, para que cresçam cidadãos que entendem a importância de cuidar do planeta para futuras gerações”, explica Robin.

Esverdeando espaços com participação social

No livro “A Última Criança da Natureza,” Richard Louv, autor e parceiro do NLI, declara que “natureza e tempo são um binômio inseparável”. Para que as crianças se desenvolvam de maneira saudável, é necessário, no entanto, de acordo com a Organização Mundial de Saúde, cerca de 12 m² de área verde. Em São Paulo, esse índice não passa de 2,6 m².

“No Brasil, nos Estados Unidos, o problema é sempre o mesmo: não somente a falta de espaço, mas a possibilidade de usá-lo. Seja um grande pátio ou um pedaço verde na rua, os ambientes externos têm o poder de atrair as crianças. Mas trabalhá-los é fazer com que elas se desconectem da cultura da tela”, explica Nilda, coordenadora de programas do NLI.

Confira na publicação original, como a liberdade de exploração da natureza contribui para a aprendizagem. Interagir com a natureza traz muitos benefícios para as crianças (e para os adultos também).

 

Compartilhe
TEMAS
Para poder deixar seu comentário, por favor, identifique-se abaixo.

Posts Relacionados

Outros posts que podem interessar