Lemos para bebês não para alfabetizar ou formar super bebês | Labedu
Casos e Referências

Lemos para bebês não para alfabetizar ou formar super bebês

15 de dezembro de 2014

Quer saber mais sobre: O livro e a leitura para bebês, o papel da narração na formação das crianças e no estabelecimento de vínculo com os adultos?

Em conversa com o Toda Criança Pode Aprender, Eva Janovitz e Beatriz Soto Martínez, mexicanas especialistas em leitura para bebês, falaram sobre a importância do contato das crianças com os livros desde muito pequenas.

Eva e Beatriz-peq

Eva e Beatriz, México, setembro de 2014

Eva explica que iniciou a leitura para crianças há mais de 15 anos, seguindo as propostas da francesa Marie Bonnafé. Encheu uma canastra com livros e foi ler para os bebês. E essa leitura para quem ainda nem sabia falar lhe parecia – na época – muito inusitada. Relata sobre seus medos e inseguranças iniciais mas também sobre os encantamentos que viveu ao abrir espaço para os pequenos e os conhecimentos construídos nesse percurso.

Palavras de Eva:

“Dentro da população, as crianças pequenas são um grupo muito raro. Nos parece muito lindo, mas na verdade não as consideramos, não as levamos em consideração, não há espaços reais para elas. Agora, 15 anos depois, começo a notar certo movimento. Os bebês são invisíveis, quando os tornamos visíveis nos damos conta do quanto foram desconsiderados até um ponto de discriminação.”

“Os pequenos são grandes leitores, são impressionantes, muito rápido aprendem a manipular o livro, a escolher… são muito seletivos em suas escolhas.”

“Se não ingressamos as crianças desde bebês nos contos, nas narrativas, a aquisição da linguagem se torna muito pobre porque as palavras que fluem normalmente na relação cotidiana com os bebês são palavras que têm a ver com a linguagem fática, linguagem cotidiana, e são palavras ‘utilitárias’, que nomeiam, e por isso muito importante ingressar no mundo da narração. Quando a linguagem poética e a narrativa ingressam na vida das crianças desde pequenas, é impressionante verificar que quando começam a falar essa linguagem se incorpora de maneira muito natural ao seu uso próprio”.

Nathalie Dion

Imagem: Nathalie Dion

Beatriz nos conta que começou seu percurso como mãe nas mediações de leitura de “Canastra de Livros” desenvolvido por Eva pelo Fondo de Cultura Económica, em que levava sua filha bebê. Dessa experiência, direcionou seus estudos e pesquisas e hoje coordena as bibliotecas infantis da Universidad Autónoma de Querétaro.

Palavras de Beatriz:

“No vínculo entre a criança e o adulto, a narração assume um lugar fundamental”.

“É importante trabalhar também com os pais dos bebês, pois acham inicialmente que por seus bebês participarem de oficinas de leitura se tornarão super bebês.”

“No trabalho com os pais, os livros são pretextos para discutir a relação entre eles e as crianças, os livros entram como um elemento no triângulo dessa relação, mas no início é só um pretexto”.

Assim, nada melhor que ler para os pequenos… e se precisar de dicas de livros, basta seguir nossa publicação mensal “Livros que fazem as crianças crescerem”.

Compartilhe
TEMAS
Para poder deixar seu comentário, por favor, identifique-se abaixo.

Posts Relacionados

Outros posts que podem interessar