fbpx
Dicas Práticas e indicações

Livros que fazem as crianças crescerem #55: O olhar sensível das crianças sobre o mundo

Livros que fazem as crianças crescerem #55: O olhar sensível das crianças sobre o mundo
Imagem retirada de Unsplash
15 de abril de 2019
Este artigo faz parte da série:

Livros que fazem as crianças crescerem

3 livros que permitem ler o mundo por meio do olhar de uma criança.

Já parou para pensar como as crianças enxergam o mundo ao seu redor? Ao evidenciar aspectos e detalhes do nosso cotidiano que nem sequer notamos, o ponto de vista delas muitas vezes nos surpreende. Curiosos para descobrir o espaço à sua volta, os pequenos se indagam constantemente sobre ele.

Valorizar esse olhar sensível e muitas vezes sonhador é fundamental, porque permite que entendamos um pouco mais sobre o que pensam e sentem, além de nos ajudar a apreciar as delicadezas da vida que, até então, poderiam estar sendo deixadas de lado por nós.

Reunimos três grandes obras de literatura infantil que revelam o olhar sensível e peculiar das crianças sobre o mundo que as cerca.

Se eu fosse um grande gigante

(Texto e ilustrações: Guridi, Tradução: Marcia Leite / Editora Pulo do Gato)

Em seu primeiro livro integralmente autoral, o escritor e ilustrador espanhol Guridi nos encanta com uma apaixonante história contada por um menino, que, ao avistar uma colônia de formigas caminhando, passa a pensar que, para as formigas, ele deveria ser um grande gigante. Assim, dá asas à imaginação e começa a sonhar com todas as coisas que poderia fazer se de fato fosse: “Se eu fosse um grande gigante, eu brincava de trocar as nuvens de lugar” e “Se eu fosse um grande gigante, contava para a Lua muitas histórias sobre a Terra”.

Depois de imaginar inúmeras situações de coisas que só os gigantes podem fazer, como não caber nas fotografias, abraçar as montanhas para que não se sintam solitárias e virar maestro de uma imensa orquestra de pássaros, o menino percebe que ser um grande gigante poderia ser também um grande desafio, já que não haveria ninguém daquela altura para lhe fazer companhia e a solidão prevaleceria. Chega, então, à conclusão de que gosta de ser pequenininho, como as crianças.

Diversas interpretações são possíveis. Uma delas é a de que há certa grandeza em ser pequenino. As ilustrações, que parecem ter sido pintadas com tinta e mudam de cores conforme o grande gigante é retratado em diferentes momentos, contribuem para uma sensação de que tudo está se passando em um sonho.

Se você quiser ver uma baleia

(Texto: Julie Fogliano, Ilustrações: Erin E. Stead, Tradução: Celina Portocarrero / Editora Pequena Zahar)

“Se você quiser ver uma baleia, vai precisar de uma janela e de um oceano…”

É assim que a autora norte-americana Julie Fogliano inicia sua narrativa, convidando-nos a olhar novamente para detalhes do nosso dia a dia através da perspectiva de uma criança.

Na história, o menino, ao lado de um cachorro e de um pássaro, tem vários encontros pelo caminho em alto mar, na esperança de ver uma baleia – como quando sentem o aroma das delicadas rosas, quando avistam no horizonte um navio pirata que desliza pelo oceano ou mesmo quando brincam com as nuvens flutuando, penduradas no céu.

Como todo bom livro-álbum, a poética narrativa textual de Fogliano, que dialoga com as ilustrações da artista francesa Erin E. Stead, pressupõe diferentes olhares sobre a história, por vezes com texto e imagem se complementando, por vezes se contrapondo. Vemos isso quando na procura pela baleia recebemos inúmeras recomendações para não nos distrairmos com qualquer outra coisa. Enquanto isso, as ilustrações trazem o menino sempre com um olhar atento ao balanço das rosas, à bandeira do navio, que tremula, ou ao radiante sol que brilha no céu. A suavidade dos tons pastéis dão uma delicadeza a mais para a obra, que tem ilustrações feitas com técnicas de impressão em linóleo.

Os direfentes

(Texto e ilustrações: Paula Bossio, Tradução: Márcia Leite, Editora Pulo do Gato)

Reconhecida internacionalmente, a escritora e também ilustradora Paula Bossio fala muito em sua obra sobre o olhar peculiar das crianças para o mundo às suas voltas, percebendo o que lhes parece igual e ao mesmo tempo diferente.

Uma menina, personagem narradora, passa a olhar ao seu redor e encontrar inúmeras estranhezas, mostradas no livro por meio de imagens bem criativas: um homem com cabeça gigante à espera do ônibus, o entregador de jornais andando na bicicleta de ponta cabeça, um cachorro levando seu dono para passear e até mesmo um homem tocando flauta com seu olho.

No entanto, as pessoas não percebem nada do que está acontecendo e seguem pensando em suas próprias vidas. A menina, intrigada, comenta com sua mãe sobre as estranhezas que as rodeiam e sua mãe responde que há muitas pessoas diferentes no mundo.

Essa reflexão final das personagens possibilita um rico diálogo com as crianças sobre sermos plurais ao mesmo tempo que nos reconhecemos uns nos outros – algo que contribui para o desenvolvimento de um olhar sobre nós mesmos e sobre os outros. Afinal, será que realmente somos tão diferentes assim?

Para conhecer essas e outras indicações, procure os títulos em uma biblioteca próxima ou, se preferir, é possível adquirir os livros nos links abaixo:

Compartilhe
TEMAS
Para poder deixar seu comentário, por favor, identifique-se abaixo.

Posts Relacionados

Outros posts que podem interessar