Dicas Práticas e indicações

Como incluir as crianças na escolha da própria escola?

Imagem retirada de Pixabay.
19 de junho de 2017..

[:pt]Nesse post do Toda Criança Pode Aprender convidamos você a pensar sobre por que pode ser importante implicar os pequenos nessa seleção junto com a família.

 

Nem sempre as crianças se adaptam de maneira satisfatória ao ambiente escolar no qual foram inseridas pelos pais ou cuidadores de referência. Muitos podem ser os entraves que dificultam a sua rotina dentro do colégio: questões com a aprendizagem, problemas para se enturmar socialmente no grupo, bullying, falta de simpatia com determinado professor, dentre outras variáveis que fazem parte desse convívio diário.

É preciso que os adultos estejam sempre atentos aos sinais apresentados pelas crianças para que possam buscar alternativas a essas situações. Ao observar frequentes reclamações, falta de vontade de ir à escola, mudanças significativas no comportamento das crianças, vale buscar uma conversa com os profissionais da escola para avaliar o que está acontecendo. Entender o problema é o mais importante nesse momento, julgando se é algo pontual, que pode ser trabalhado de forma conjunta, ou algo mais amplo, que dificilmente encontrará soluções suficientes, naquele momento e instituição, para dar conta da questão.

A escola é o principal espaço de interação e desenvolvimento na vida de uma pessoa e deve se constituir enquanto referência positiva de cuidado e atenção, sendo um lugar que promova relações de respeito, amizades, trocas e conhecimentos. Pode ser importante pensar numa mudança se a escola inicialmente escolhida não estiver condizente com esse cenário ou se a criança, por um ou por um conjunto de aspectos, não estiver se beneficiando dele para seu desenvolvimento. E as próprias crianças podem ser peças fundamentais na decisão a ser tomada.

É claro que os adultos responsáveis terão de selecionar espaços que tenham minimamente a ver com os ideais com os quais eles compartilham para a educação da criança, mas escutá-la pode ser extremamente decisivo nesse processo. Ouvir o que gostaria que fosse diferente, quais as atividades e qualidades ela mais valoriza e tratar da nova experiência como uma oportunidade e não uma decorrência de seus fracassos são aspectos que poderão evidenciar o potencial da criança. É preciso mostrar a ela que pode ser muito prazeroso aprender e estar com pessoas diferentes e que existem outros lugares nos quais ela possa se sentir reconhecida e pertencente. Essas identificações são indispensáveis ao longo desses anos de maturação e constituição da personalidade de um indivíduo, por isso precisamos olhar com tanto cuidado para os ambientes dos quais ele tem feito parte e como tem sensibilizado as suas vivências de mundo!

E você? Já passou por algo parecido? Conte-nos abaixo como foi a sua experiência.[:en]Nesse post do Toda Criança Pode Aprender convidamos você a pensar sobre por que pode ser importante implicar os pequenos nessa seleção junto com a família.

post1906

Imagem retirada de Pixabay

Nem sempre as crianças se adaptam de maneira satisfatória ao ambiente escolar no qual foram inseridas pelos pais ou cuidadores de referência. Muitos podem ser os entraves que dificultam a sua rotina dentro do colégio: questões com a aprendizagem, problemas para se enturmar socialmente no grupo, bullying, falta de simpatia com determinado professor, dentre outras variáveis que fazem parte desse convívio diário.

É preciso que os adultos estejam sempre atentos aos sinais apresentados pelas crianças para que possam buscar alternativas a essas situações. Ao observar frequentes reclamações, falta de vontade de ir à escola, mudanças significativas no comportamento das crianças, vale buscar uma conversa com os profissionais da escola para avaliar o que está acontecendo. Entender o problema é o mais importante nesse momento, julgando se é algo pontual, que pode ser trabalhado de forma conjunta, ou algo mais amplo, que dificilmente encontrará soluções suficientes, naquele momento e instituição, para dar conta da questão.

A escola é o principal espaço de interação e desenvolvimento na vida de uma pessoa e deve se constituir enquanto referência positiva de cuidado e atenção, sendo um lugar que promova relações de respeito, amizades, trocas e conhecimentos. Pode ser importante pensar numa mudança se a escola inicialmente escolhida não estiver condizente com esse cenário ou se a criança, por um ou por um conjunto de aspectos, não estiver se beneficiando dele para seu desenvolvimento. E as próprias crianças podem ser peças fundamentais na decisão a ser tomada.

É claro que os adultos responsáveis terão de selecionar espaços que tenham minimamente a ver com os ideais com os quais eles compartilham para a educação da criança, mas escutá-la pode ser extremamente decisivo nesse processo. Ouvir o que gostaria que fosse diferente, quais as atividades e qualidades ela mais valoriza e tratar da nova experiência como uma oportunidade e não uma decorrência de seus fracassos são aspectos que poderão evidenciar o potencial da criança. É preciso mostrar a ela que pode ser muito prazeroso aprender e estar com pessoas diferentes e que existem outros lugares nos quais ela possa se sentir reconhecida e pertencente. Essas identificações são indispensáveis ao longo desses anos de maturação e constituição da personalidade de um indivíduo, por isso precisamos olhar com tanto cuidado para os ambientes dos quais ele tem feito parte e como tem sensibilizado as suas vivências de mundo!

E você? Já passou por algo parecido? Conte-nos abaixo como foi a sua experiência.

Outros posts que podem interessar:

Que escola eu escolho?

O que as crianças gostam de fazer na escola?

O que aprenderam os alunos que ocuparam as escolas estaduais em São Paulo em 2015?

“Escola é lugar de recuperação de sonhos”[:]

Compartilhe
TEMAS
Para poder deixar seu comentário, por favor, identifique-se abaixo.

Posts Relacionados

Outros posts que podem interessar