Pedro Ensina: alunos aprendendo e ensinando também | Labedu
Casos e Referências

Pedro Ensina: alunos aprendendo e ensinando também

Imagem retirada do vídeo Pedro Ensina: Química – Cálculo Estequiométrico (PARTE 1).
30 de novembro de 2016

Saiba mais sobre como as relações entre os alunos podem contribuir para a aprendizagem a partir de formas criativas de estudar!

Em muitas escolas, algumas das atividades propostas são realizadas em grupos ou em duplas de alunos. Essa iniciativa pode ter várias intenções, como promover as relações sociais entre os estudantes, incentivar que aprendam a trabalhar em equipe (respeitando o outro, tomando decisões e cooperando, como já mostramos aqui), permitir que troquem conhecimentos e produzam uma síntese a partir desse diálogo ou propor que façam um projeto maior e mais complexo, em que possam se ajudar e dividir a quantidade de trabalho.

Entretanto, por vezes acontece de os próprios alunos perceberem o potencial que essas trocas e conversas geram em sua aprendizagem. Desta forma, acabam encontrando maneiras criativas de se apoiar nas tarefas escolares e projetos pessoais. Um exemplo disso foi a iniciativa dos estudantes de Ensino Médio do Colégio Dante Alighieri, Pedro Casara Luz e João Pedro Magnani, que desde 2015 produzem o canal de YouTube “Pedro Ensina”.

A ideia dos dois surgiu a partir de conversas com seus colegas, que explicitavam várias dúvidas sobre as matérias da escola. Pedro apresentava maior domínio sobre alguns desses conteúdos e se interessava por ensinar. Uniu-se então a João Pedro, que tinha habilidade com a edição de vídeos e teve a ideia de criar um canal do YouTube em que pudessem ajudar várias pessoas ao mesmo tempo. Aproveitando os potenciais de cada um, eles seguiram em frente com o projeto, que já conta com mais de mil seguidores e possui vídeos com até 17 mil visualizações.

Segundo os dois colegas, o sucesso da proposta se deve também ao fato de manterem sempre um clima descontraído nos vídeos. Isso reproduz o que seria uma conversa entre estudantes, aproximando os alunos de conteúdos escolares por meio de uma linguagem acessível e promovendo uma relação mais horizontal entre quem está ensinando e quem está aprendendo. Conforme Pedro e João apontam, é importante que os papéis de quem lança questões e de quem dá explicações possa se alternar. A forma como cada um pode aproveitar seus potenciais para contribuir com os diferentes temas e momentos da aprendizagem será única.

Os criadores do canal ainda reforçam a ideia de que o aluno não é só aquele que produz conhecimento, como também aquele que o dissemina. A parceria com o professor também é importante para tornar esse tipo de iniciativa ainda mais potente. O educador pode orientar a atividade dos alunos sugerindo fontes e referências, bem como ajudá-los a encontrar caminhos didáticos para tratar de assuntos diversos ou mais complexos.

Embora nesse caso os alunos que apresentaram a iniciativa sejam de Ensino Médio, nada impede que outros tipos de propostas possam ocorrer também com crianças e, especialmente, na própria sala de aula. Cada idade terá uma possibilidade diferente de troca, mas encontrar caminhos para favorecer as descobertas compartilhadas é sempre muito enriquecedor para o desenvolvimento infantil e amplia significativamente as oportunidades de aprendizagem por parte das crianças, dos jovens e também dos adultos.

 

Compartilhe
TEMAS
Para poder deixar seu comentário, por favor, identifique-se abaixo.

Posts Relacionados

Outros posts que podem interessar