“Não quero comer polvo” ou da argumentação sobre o que se come | Labedu
Casos e Referências

“Não quero comer polvo” ou da argumentação sobre o que se come

12 de setembro de 2013

[:pt]O que faz uma criança pensar que algo em seu prato de comida foi um dia vivo? O que essa criança sabe sobre a vida e a morte e qual sua relação com o que é oferecido em sua refeição?

No mês passado, um vídeo se tornou viral nas redes sociais. Luis Antonio, um menininho de aproximadamente 3 anos de idade, explicou para sua mãe porque não devemos comer animais. É emocionante ver uma criança de tão pouca idade esforçando-se para produzir argumentos.

Para os pequenos, a morte é uma ideia surpreendente, daí sua dificuldade em associar a vaca com o bife do prato. Ao fazer essa relação, Luis Antonio se solidariza com os animais e nos encanta.

Os adultos precisam escutar e considerar as escolhas próprias de uma criança, desde que plausíveis.  É essencial promover a ideia de que há liberdade para expressar opiniões e preferências. Com a ajuda dos adultos, a criança pode pensar em outras alternativas, como bem demonstra o vídeo a seguir.

[:en]

ilustra-02

O que faz uma criança pensar que algo em seu prato de comida foi um dia vivo? O que essa criança sabe sobre a vida e a morte e qual sua relação com o que é oferecido em sua refeição?

No mês passado, um vídeo se tornou viral nas redes sociais. Luis Antonio, um menininho de aproximadamente 3 anos de idade, explicou para sua mãe porque não devemos comer animais. É emocionante ver uma criança de tão pouca idade esforçando-se para produzir argumentos.

Para os pequenos, a morte é uma ideia surpreendente, daí sua dificuldade em associar a vaca com o bife do prato. Ao fazer essa relação, Luis Antonio se solidariza com os animais e nos encanta.

Os adultos precisam escutar e considerar as escolhas próprias de uma criança, desde que plausíveis.  É essencial promover a ideia de que há liberdade para expressar opiniões e preferências. Com a ajuda dos adultos, a criança pode pensar em outras alternativas, como bem demonstra o vídeo a seguir.

 

 

[:]

Compartilhe
TEMAS
Para poder deixar seu comentário, por favor, identifique-se abaixo.

Posts Relacionados

Outros posts que podem interessar